quinta-feira, 24 de maio de 2012

RIO DE JANEIRO - PONTOS TURÍSTICOS

Cristo Redentor
Cristo Redentor
O Cristo Redentor é um dos mais admirados pontos turísticos do Brasil e está entre as Sete Novas Maravilhas do Mundo Moderno. 

A fama desse monumento é internacional, vai além da religiosidade e representa a simpatia do povo carioca, que é conhecido por receber muito bem os visitantes que chegam ao Rio de Janeiro. 

Pode-se dizer que o monumento deseja boas-vindas, de braços abertos. 
O Cristo foi inaugurado em 1931, mas já em 1921 a ideia de construir um monumento em homenagem ao centenário da independência do Brasil tinha sido cogitada.

A montagem das peças, revestidas em pedra-sabão, levou cincos anos para ser concluída e houve uma campanha nacional para arrecadação de recursos para a obra.

O projeto do engenheiro Heitor Silva Costa, que teve o apoio dos artistas Carlos Oswald e Paul Landowski quanto ao desenho e à escultura, faz parte de um cartão-postal que envolve a Floresta da Tijuca, uma das maiores florestas urbanas do mundo.

Por ano, passam pelo Cristo Redentor cerca de um milhão de turistas, que podem admirar, lá do alto, a vista de outras paisagens do Rio, como a Baía de Guanabara, o Pão de Açúcar e a orla da praia de Botafogo.

O monumento está localizado no Rio de Janeiro, no topo do morro do Corcovado dentro da Floresta da Tijuca, a 710 metros acima do nível do mar.

Ela é uma das maiores florestas urbanas do mundo e faz parte do completo turístico que envolve um dos maiores símbolos do Brasil.

O acesso à estátua pode ser feito de trem ou de carro. Na base, existem elevadores com vista panorâmica para a cidade, escadas rolantes e acessos adaptados para deficientes físicos.

A centenária linha férrea do trem do Corcovado é também uma atração turística, pois ela corta a Floresta da Tijuca e seu percurso deixa visível cenários belíssimos do Rio, como a vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas.

Além da visita ao Cristo, na estação do trem do Corcovado existem lojas de souvenirs, restaurantes e lanchonetes. Há também um espaço cultural onde a história do Cristo e da estrada de ferro são contadas.

O verão no Rio é entre dezembro e março, época em que a cidade está cheia de turistas que visitam o monumento.

O período é ótimo para ir ao local devido ao clima, mas, quem estiver interessado em dias mais calmos, deve fugir desses meses.
Pão de Açúcar
Pão de Açúcar
O Pão de Açúcar é um dos cartões postais mais conhecidos do Rio de Janeiro. Ele é, na verdade, um parque turístico que envolve duas montanhas – o morro da Urca e o próprio Pão de Açúcar - e dois teleféricos que fazem o trajeto entre a praia Vermelha e os dois morros.
 
O primeiro bondinho, que liga a praia ao morro da Urca, foi inaugurado em 1912 e se tornou o primeiro teleférico instalado no Brasil. 

Em 1913, o segundo trecho começou a ser operado, conectando o morro da Urca ao Pão de Açúcar. 

A primeira montanha mede 220 metros de altura e está a 575 metros da praia. Já o Pão de Açúcar, que tem cerca de 600 milhões de anos, está 396 metros acima do nível do mar e distante 750 metros do morro da Urca.

Um marco histórico é que foi aos pés desse cartão-postal, em 1565, que a cidade do Rio de Janeiro foi fundada.

Os teleféricos são extremamente seguros e têm as laterais transparentes, o que permite tirar fotos durante o passeio aéreo, que dura, em média, 6 minutos entre os dois trechos.

Esse maravilhoso ponto turístico está localizado na Urca, um bairro tranqüilo e seguro do Rio de Janeiro.

A vista do alto do Pão de Açúcar é uma das mais belas que os turistas podem ver no Rio, como a enseada de Botafogo, a baía de Guanabara, a praia de Copacabana, a pedra da Gávea, o Cristo Redentor e a Floresta da Tijuca.

O funcionamento do parque é diário e para acessá-lo basta pegar um ônibus, táxi ou metrô (por meio da integração com os ônibus da concessionária).

O passeio de bondinho é a principal atividade, mas trilhas, ecoturismo e shows também se destacam. A trilha é feita a partir da praia Vermelha e vai até a base do Pão de Açúcar, descortinando uma visão diferente da baía de Guanabara para o turista.

O montanhismo pode ser praticado com segurança e acompanhamento profissional.

Em datas especiais, diversos shows acontecem no morro da Urca, que também dispõe de anfiteatro com a história do cartão-postal, rede de lanchonetes e restaurante.

A cidade do Rio recebe mais turistas no verão, entre dezembro e março, quem quiser curtir o Pão de Açúcar com calma, deve viajar em outro momento e conferir o horário de funcionamento do parque.
Maracanâ
Maracanã
O maior estádio de futebol do Brasil é o Maracanã, que também é um dos principais cartões postais do Rio de Janeiro. 

Inaugurado em 1950, o estádio jornalista Mário Filho (nome oficial) foi, é e será palco de importantes acontecimentos do mundo do esporte e da cidade. 

Inaugurado com o objetivo de sediar a Copa de 1950, hoje ele passa por uma reforma que servirá para receber a Copa de 2014 e os jogos Olímpicos de 2016.

Ele já foi o maior estádio de futebol do mundo, mas, atualmente, as medidas oficiais de 110m X 75m e área de 186.638m² não garantem mais esse posto. 

Mesmo assim, outros fatos grandiosos fazem parte desse símbolo brasileiro, como a passagem e consagração de grandes jogadores brasileiros, tais como Pelé e Garrincha.

A origem do nome popular é guarani e significa “semelhante a um chocalho”. Na época da construção, existiam nos arredores muitas aves chamadas Maracanã-guaçu.

Integrado ao complexo esportivo estão o ginásio Maracanãzinho, que já foi palco de importantes partidas de vôlei, basquete e futsal, além de shows e eventos não esportivos; o parque aquático Júlio Delamare e o estádio de atletismo Célio de Barros.

O Maracanã está localizado no bairro homônimo, na zona norte do Rio de Janeiro.

O meio de transporte mais rápido para se chegar ao local é o metrô, que funciona todos os dias da semana.

São várias as linhas de ônibus e também há trens e táxis que permitem chegar ao lugar. Os ônibus de turismo também costumam levar visitantes ao estádio.

Ao visitar o Maracanã, é possível tirar fotos do lado de fora, registrando as gigantescas dimensões do complexo esportivo.

Também é possível caminhar pela ciclovia para conhecer os arredores e os outros complexos esportivos, como o Maracanãzinho, o parque aquático e o estádio de atletismo.

Dentro do Maracanã, é possível visitar o museu com a história do lugar e conhecer a calçada da fama, onde estão as marcas dos pés dos maiores craques que já passaram pelo estádio.

Também é possível assistir a shows e eventos grandiosos. Astros como Madonna, Paul McCartney e Ivete Sangalo já passaram por lá, assim como eventos internacionais, como a Copa do Mundo de 1950 e o Pan-Americano de 2007.

Em qualquer época do ano. Para completar a visita, o melhor é garantir ingressos para uma partida.
Praia de Copacabana
Praia de Copacabana
A praia de Copacabana é comumente chamada de “a princesinha do mar”, a origem do nome se deve ao culto de uma santa cultuada no Peru e que chegou à cidade do Rio na época do Brasil Colônia.

Muitos anos se passaram e a fama de Copacabana se tornou internacional. Hoje, é nessa praia que acontece uma das maiores festas de réveillon do planeta.

A orla tem 4,5 km de extensão e o calçadão exibe a obra do paisagista Burle Max. Ele é composto de pedras portuguesas e desenhado no formato das ondas do mar, como se fosse uma continuação da ondas do mar.

Esse paraíso fica no bairro da zona sul do Rio de Janeiro que tem o mesmo nome da praia.

O acesso mais prático e rápido é o metrô, que leva os turistas que estão em qualquer parte da cidade aos principais acessos da praia.

Vários ônibus que circulam por outros bairros passam pela orla, o que proporciona um passeio por uma paisagem deslumbrante.

Os cariocas geralmente aproveitam para caminhar, pedalar e fazer exercícios na orla, além de curtirem o banho de mar.

Isso pode ser feito a qualquer hora do dia ou da noite, no verão, é comum as pessoas aproveitarem o banho de mar noturno, pois o calor no Rio é forte e o mar de Copacabana se transforma em uma piscina iluminada pela Lua, o visual costuma ser incrível! 

Em Copacabana também existem dois fortes que podem ser visitados, cada um localizado em um extremo da praia.

Em um deles, o Forte de Copacabana, que fica próximo à praia de Ipanema, está o Museu Histórico-Militar do Exército.

Ele tem itens e objetos curiosos em seu acervo, como uma mecha dos cabelos de Napoleão.
À noite, a praia oferece o que há de melhor em divertimento e lazer, com quiosques, bares e restaurantes na orla e nas avenidas próximas.

Os restaurantes servem as bebidas mais típicas do Rio de Janeiro, como a caipirinha, e também os petiscos mais saborosos.

Deve ser visitada no verão, entre dezembro e março, é a alta temporada, mas o movimento é compensado pelo calor da estação que se mistura com a receptividade típica do carioca e as belezas naturais da cidade.
Praia de Ipanema
Praia de Ipanema
O cenário é classificado como perfeito, assim é a definição da praia de Ipanema, que está entre as mais frequentadas do Rio de Janeiro, entre as mais famosas do Brasil e também entre as queridinhas dos turistas.

O motivo para tanta pompa é a combinação quase perfeita entre a beleza natural e a cidade, ela tem o costume de ser a queridinha dos jovens, que desfilam pela orla as tendências que os cariocas adotam ao longo do ano. 

Quando chega o verão, todos os holofotes estão voltados para as praias e o que acontece em Ipanema geralmente vira moda, vizinha da famosa Copacabana, Ipanema é considerada outra jóia da cidade.

Principalmente por ser a musa inspiradora de vários artistas que elevaram a praia à fama internacional, como Tom Jobim e Vinícius de Moraes com “Garota de Ipanema”.

Hoje, a praia é um dos pontos mais badalados do Rio, reunindo principalmente os jovens e os corpos sarados da capital fluminense.

Com cerca de 2 km de extensão, a orla de Ipanema é vista como a continuação da beleza de Copacabana.

Fica em Ipanema, um dos bairros mais conhecidos da zona sul do Rio. O acesso pode ser feito de metrô, ônibus, táxi e até de bicicleta (dependendo do local de hospedagem), o transporte mais indicado é o metrô.

Os cariocas geralmente aproveitam para caminhar, pedalar e fazer exercícios na orla, além de curtirem o banho de mar, logo no começo da praia está a pedra do Arpoador, que é um dos points da região.

Os banhistas, moradores e turistas que frequentam o local estão acostumados surfar nessa parte de Ipanema ou dar um mergulho logo pela manhã.

Outra prática comum, e até tradicional, é bater palmas no fim do dia para o pôr-do-sol, é uma forma que os cariocas encontraram para homenagear o espetáculo da natureza, que compõe uma das paisagens mais bonitas e admiradas do Rio.

À noite, os quiosques da orla ficam cheios e servem desde o coco gelado até a caipirinha que faz sucesso entre os turistas.

Do outro lado da orla, ficam alguns dos melhores bares e restaurantes que existem no Rio.

Tudo isso pode ser aproveitado ao sair da praia durante uma simples caminhada.
Lagoa Rodrigo de Freitas
Lagoa Rodrigo de Freitas
Localizada na Zona Sul do Rio, a Lagoa Rodrigo de Freitas é uma das paisagens mais bonitas da cidade, ela é cercada por badalados bairros cariocas - Lagoa, Ipanema, Leblon, Gávea e Jardim Botânico. 

Sua orla abriga parques, quadras de esportes, rinque de patinação, heliporto, pista para caminhadas e corrida, ciclovia e um centro gastronômico distribuído por quiosques que oferecem um leque variado de opções, além de música ao vivo a partir do anoitecer.

Isso sem falar nos passeios de pedalinho aos domingos e feriados, além disso, as margens da Lagoa são algumas das mais bem equipadas áreas de entretenimento da cidade e convidam a uma caminhada, jogging ou passeios de bicicleta, que podem ser alugadas por ali.

Os 7,5 km de extensão da Lagoa incorporam os parques dos Patins, Taboas e Catacumba. O Parque dos Patins, como o próprio nome diz, é ideal para a patinação, mas também possui outras opções como os shows e a diversa culinária que seus quiosques oferecem.

Já o Parque da Catacumba pode ser considerado um museu ao ar livre pois abriga esculturas de diversos artistas ao longo da sua extensão, além das artes, o parque também possui quiosques e é uma boa pedida para quem quer passear e, depois, dar uma descansada.

Por fim, o Parque dos Taboas é ideal para quem é fã de esportes, já que possui uma estrutura para a práticas de exercícios.

E se algum pai quiser levar seu filho para brincar por lá, ele pode se sentar em um dos quiosques do local.
Jardim Botânico
Jardim Botânico
O Jardim Botânico do Rio abriga alguns dos principais exemplares da flora brasileira e mundial, criado em 13 de junho de 1808, por D. João VI, o Jardim Botânico (antes chamado “Jardim de Aclimação”) abriu suas portas para o público somente em 1822.

A exuberância do Jardim, de 141 hectares, atraiu, ao longo do tempo, visitantes como Einstein e a Rainha Elizabeth II.

Hoje em dia, recebe diariamente a visita de diversos turistas e dos próprios cariocas, que aproveitam o lugar para espairecer um pouco.

Aberto todos os dias e com horário de visitação entre 8h e 17h, o Jardim Botânico oferece diversas opções de lazer, você poderá visitar o Museu do Meio Ambiente, as diversas coleções do lugar (como o orquidário e o jardim sensorial), além de apreciar os vários monumentos do local.

O ingresso para entrar no Jardim custa R$6,00, o ingresso é grátis para crianças até 7 anos e idosos a partir de 60 anos (residentes no Brasil ou em outros países que fazem parte do Mercosul).
Arcos da Lapa
Arcos da Lapa
Os Arcos da Lapa localizam-se no bairro de mesmo nome e é conhecido como o berço da boemia carioca, o Aqueduto da Carioca, verdadeiro nome dos Arcos da Lapa, é considerado a mais importante obra do Rio de Janeiro colonial.

O Aqueduto foi construído em 1723 e tinha como objetivo levar as águas do rio Carioca até o Largo da Carioca, sanando o problema de falta de água na cidade. 

Depois, tornou-se passagem para o bondinho elétrico, em 1896. Os Arcos se transformaram em um importante ponto turístico da cidade, sendo inaugurado como conhecemos atualmente em 1950.

Existem outros prédios importantes na Lapa, como a faculdade de música da Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Sala Cecília Meireles, porém o destino mais procurado ainda são os próprios Arcos e os bares da região.

Os bares possuem movimento durante toda a semana, mas é no final de semana que eles são mais procurados. 

Além dos preços e atrações que agradam a todos, uma das características marcantes da região é a harmonia com que convivem as mais diversas tribos musicais.
Parque Nacional da Tijuca
Parque Nacional da Tijuca
O Parque Nacional da Tijuca foi criado em 6 de julho de 1961 e, atualmente, é o parque nacional mais visitado do Brasil, recebendo mais de 2 milhões de visitantes por ano.

Sua história de preservação começou em 1861, numa iniciativa pioneira ordenada por D. Pedro II, onde um processo de desapropriação territorial e de reflorestamento resultou na regeneração natural da vegetação, propiciando a exuberante floresta que existe hoje.

Dividido em quatro setores (Floresta da Tijuca, Serra da Carioca, Pedra Bonita/Pedra da Gávea e Pretos Forros/Covanca), o Parque é um fragmento do bioma da Mata Atlântica e parte integrante da Reserva da Biosfera no Rio de Janeiro.

Através dos anos, o Parque Nacional da Tijuca tornou-se uma importante área de lazer, proporcionando meios para a prática de esportes e a contemplação da natureza.

A existência de alguns marcos e símbolos da cidade do Rio de Janeiro, como a estátua do Cristo Redentor, a Pedra da Gávea e o Parque Lage transformou o Parque em um ponto de atração turística de nível internacional.

Além desses marcos, ainda temos a Vista Chinesa, a Capela Mayrink e a Mesa do Imperador, devido ao seu relevo montanhoso, também se destacam o Pico da Tijuca, a Serra da Carioca (onde se localiza o Corcovado), o conjunto Pedra Bonita/Pedra da Gávea e a Serra dos Pretos-Forros & Covanca.

O Parque funciona diariamente das 8h às 17h, e até 18h no verão (exceto Corcovado).

Suas muitas estradas permitem visitá-lo a pé, de bicicleta, motocicleta, auto e ônibus.

Para conhecer a Estátua do Cristo Redentor e o espetacular Mirante do Corcovado, é oferecida também a opção do trem.

Vale lembrar que, por ser compartimentado, o Parque Nacional da Tijuca pode ser visitado por diferentes caminhos.
Praia do Leblon
Praia do Leblon
A Praia do Leblon é uma extensão à direita da Praia de Ipanema e fica situada entre os canais da Rua Visconde de Albuquerque e do Jardim de Alah. 

Certamente os atrativos da praia e os belos cenários da orla foram uma das principais motivações para o adensamento do bairro.

Apesar de não ser muito frequentada para banhos de mar, a Praia do Leblon possui uma longa faixa de areia que permite a prática de vários esportes.

O Mirante do Leblon, no extremo canto direito, permite uma vista deslumbrante, principalmente quando o mar está em ressaca.
Praia de Botafogo
Praia de Botafogo
A praia de Botafogo fica no bairro de mesmo nome, que liga o centro e a zona sul da cidade.

A praia possui 700 metros de extensão e é admirada por sua vista para o Pão de Açúcar, a Baía de Guanabara e o Morro da Urca.

O banho nas suas águas não é recomendado devido a grande poluição do mar local, então aproveite ir até lá para olhar o pôr do sol.

Se você é fã de esportes, a orla da praia possui uma ciclovia, além disso, as areias de Botafogo servem de palco a shows e concertos.
Igreja N. S. da Candelária
Igreja N.S. da Candelária
A Igreja de Nossa Senhora da Candelária localiza-se no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro e é um dos principais monumentos religiosos da cidade. 

A Igreja foi construída a partir de 1778, no local onde existia uma capela, mandada construir pelo casal de espanhóis Antônio Martins Palma e Leonor Gonçalves, em agradecimento a Nossa Senhora das Candeias, por terem sido salvos de um naufrágio e terem conseguido chegar ao Rio de Janeiro em 1600. 

A igrejinha paroquial da Candelária foi reformada em 1710, mas na segunda metade do século XVIII necessitava uma ampliação. 

Ao longo dos anos, várias reformas foram sendo feitas, até chegar à construção como conhecemos hoje.

A Igreja da Candelária é uma das principais obras artísticas do século XIX brasileiro, pela qualidade dos nomes envolvidos e pela integração da arquitetura neoclássica e a decoração interna exuberante, em estilo misto neoclássico e eclético.

Além disso, tem-se a bela fachada, obra-prima do século XVIII, que demonstra uma grande harmonia no contraste entre os trechos pintados de branco e o granito escuro carioca, além dos diferentes perfis de janelas, as duas torres e o frontão clássico.
Bairro de Santa Teresa
Santa Teresa
Santa Teresa é um bairro charmoso e bucólico do Rio de Janeiro, sendo conhecido pelas construções históricas e pelos bondes que circulam em suas ruas, o bairro surgiu a partir do convento de mesmo nome, no século XVIII.

Em 1872, surgiria o bonde que se tornou o símbolo do bairro e um dos principais meios de transporte do local, eles saem do centro da cidade, passa sobre os Arcos da Lapa e segue a rota do tempo no sobe-e-desce das ladeiras de Santa Teresa.

O ponto de partida é a estação no Largo da Carioca: a estação fica perto da sede da Petrobrás, na Rua Lélio Gama, sua passagem custa menos de R$1.
 
Além dos bondes, pode-se chegar a pé em Santa Teresa, partindo da Lapa, você conhecerá a mais famosa escadaria da cidade – a Selarón, com 215 degraus recobertos de mosaicos de cerâmica nas cores verde, amarelo e azul.

Já em Santa Teresa, você pode admirar a vista pra Baia de Guanabara, no Largo do Curvelo, visitar o Parque das Ruínas, o Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, o Museu Casa de Benjamin Constant, o Museu Chácara do Céu... Depois pare e conheça o Largo do Guimarães e o Largo das Neves, considerados o coração do bairro, aproveite a boemia do local e descanse em um dos badalados bares de Santa Teresa.
Forte de Copacabana
Forte de Copacabana
O Forte de Copacabana foi construído em 1914 com o objetivo de reforçar a defesa da Baía de Guanabara. 
O Forte foi palco de acontecimentos importantes da história do Brasil, como o levante dos "Dezoito do Forte", em 1922, tendo os revoltosos disparado sofre o Forte do Leme e outras fortalezas, e sofrido o bombardeio da Fortaleza de Santa Cruz.

No Forte, você pode escolher entre a visita restrita (apenas às áreas externas) e a completa (incluindo o interior do forte e o Museu Histórico do Exército).

No Museu, fatos marcantes estão registrados através de exposições, exibições de vídeo, maquetes e em um setor interativo, setor muito visitado pelos visitantes do Forte.

Já na área externa, você tem a vista de diversos pontos da nossa costa. Além disso, o interior do Forte é cortado pela ciclovia Marechal Rondon.
Pedra da Gávea
Pedra da Gávea
Maciço com 842 metros, é o maior bloco de pedra a beira mar do planeta.
FONTE: http://www.mundi.com.br/Pontos-Turisticos-Rio-de-Janeiro-2713590.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

. . .