Pular para o conteúdo principal

TRADUTOR

Festas populares do AMAPÁ

Marabaixo, Boi-Bumbá, Festas Religiosas...as riquezas do folclore amapaense


Assim como em todas as cidades da Amazônia, no Amapá o folclore é forte e possui diversas influências: indígenas ou africanas e até religiosas. Boi-Bumbá, Marabaixo e a Festa de São Tião são algumas das festas que fazem parte da cultura amapaense.

Ao longo do ano, são realizados eventos na capital do Estado e no interior que valorizam e ajudam a preservar as tradições do folclore local. Conheça agora as Principais manifestações realizadas no Amapá.
Boi-Bumbá
Boi-Bumbá

O Boi-Bumbá é uma tradição muito comum no Norte do Brasil, especialmente nos Estados da Amazônia. 

As pessoas vestem fantasias e dançam para contar a história do boi que ressuscita graças à intervenção do pajé, feiticeiro dos índios.

A festa conta a história de uma mulher grávida que tem o desejo de comer a carne do boi preferido do patrão do marido dela. 
marido, para satisfazer a vontade da esposa, mata o animal, mas o dono descobre.

Inconformado com a morte do seu boi preferido, o patrão ordena ao peão que dê um jeito de trazer de volta o animal vivo.

O homem então pede ajuda ao pajé. Quando a mágica acontece, todos dançam alegremente em volta do boi.
Marabaixo
Marabaixo

A festa é em homenagem ao Divino Espírito Santo e foi criada pelos escravos negros que foram trazidos para Macapá no século XVIII para construir a Fortaleza de São José. 

A tradição do Marabaixo foi passada pelos escravos aos seus descendentes que vivem na Vila de Curiaú, a 8 km de Macapá, e também aos municípios de Mazagão Velho, em Mazagão, e Macapá, porém, apenas na capital amapaense, o Marabaixo sobrevive com grande parte de suas características originais.

Em Mazagão Velho, por exemplo, ele desapareceu completamente. Na Vila de Curiaú, ainda se dança o Marabaixo por ocasião da festa em louvor à Santa Maria, no fim de maio.

A transformação que a festa sofreu ao longo tempo, deve-se - de acordo com os estudiosos -, a variáveis como urbanização, a modernização e a migração rural.

A festa do Marabaixo começa no domingo de Páscoa e dura meses. O ponto alto da festa, por exemplo, acontece no começo de novembro, com o Encontro dos Tambores, em Macapá.

Durante quatro dias, as pessoas cantam e dançam o marabaixo. Para garantir a energia dos dançarinos, é servido uma bebida chamada de gengibirra, que é feita de gengibre ralado, cachaça e açúcar.

DATAS PRINCIPAIS DO MARABAIXO:

Domingo de Páscoa:

- Começa com uma missa na Igreja de São Benedito, no bairro do Laguinho, no município de Macapá.

Dança-se o Marabaixo pela manhã e à tarde na casa do festeiro.

Cortação do Mastro:

- É feita a "Cortação do Mastro" cinco semanas após a Páscoa, no sábado, nos arredores da cidade.

É deixado nas proximidades da casa do festeiro, como preparação para o dia seguinte.

Domingo do Mastro:

- Os participantes deslocam-se até o lugar onde está o mastro, dançando, cantando e soltando foguetes, com a bandeira do Divino e da Santíssima Trindade. 

Em seguida, apanham o mastro e o levam para a casa do festeiro, onde será guardado.

Quarta-feira de Murta:

- Na primeira Quarta-feira, depois do domingo do mastro, à tarde, os participantes vão "tirar a murta" às cercanias da cidade, levando a bandeira vermelha do Espírito Santo e voltam pelo mesmo itinerário, guardando a murta para enfeitar o mastro no outro dia.

Quinta-feira da Hora:

- Pela manhã, depois que cavam e enfeitam o mastro do divino com os galhos da murta e a bandeira em sua extremidade , há a "Levantação do Mastro".

Dançam o Marabaixo até tarde. A partir desta data, durante 18 dias, são rezadas ladainhas em homenagem ao Divino Espírito Santo e à Santíssima Trindade, na casa do festeiro, em frente a um altar ornado com fitas, velas e ricas e seculares coroas de prata do Espírito Santo.

À noite, depois da ladainha, é realizada uma festa para os participantes e convidados.

Sábado do Divino Espírito Santo:

- Nove dias após a Quinta-feira da Hora é realizada uma festa dançante, à noite, para participantes e convidadas na casa do festeiro.

Domingo do Divino Espírito Santo:

- Dança-se o Marabaixo nesse Domingo e as ladainhas continuam sendo revezada durante mais uma semana.

Sábado da Trindade:

- Festa dançante para participantes e convidados na casa do festeiro.
Domingo da Trindade:
- Há missa pela manhã na Igreja do bairro. 

Á tarde há a "quebra da murta". Os participantes saem pelas ruas dançando, cantando e soltando foguetes, desta vez empunhando a bandeira da Santíssima Trindade. 

À noite, rezam a última ladainha em louvar à Santíssima. Seguindo-se a realização do baile, que só termina na Segunda-feira do Mastro.

Segunda-feira do Mastro:

- A partir das 6 horas, os participantes cavam um buraco em frente da casa do festeiro, enfeitam o segundo mastro de murta, este da Santíssima, e fazem a "Levantação" ao lado do mastro do Divino. 

Após levantado o mastro, inicia-se a dança do Marabaixo até às 12 horas. Só reiniciando no Domingo do Senhor.

Domingo do Senhor:

- Este é o último dia do ciclo anual do Marabaixo. Os participantes dançam até às 18 horas, quando param para fazer a "Derrubada do Mastro" (os dois), em seguida recomeçam a dança, até tarde da noite.

Festa de São Tiago:

A festa é realizada entre os dias 16 e 28 de julho, na Vila de Mazagão Velho, situada a 29 km de Mazagão, distante a 65 km de Macapá, às margens do Rio Mutuacá. 

A Vila foi fundada em 1770, com objetivo de abrigar 163 famílias de colonos lusos vindos da Mauritânia (Costa Africana) em decorrência dos conflitos políticos - religiosos entre Portugueses e Muçulmanos que ainda por lá perduravam.

Através da festa, eles revivem as batalhas em que cristãos e muçulmanos travaram no Continente Negro. 

A festa então tem sua origem ligada a lenda que conta o aparecimento de São Tiago como anônimo que lutou heroicamente contra os mouros. 

Ela enfoca personagens interessantes como: São Tiago, São Jorge, Rei Caldeira, Atalaia e outros.

Acesso:

Município de Mazagão
Rodoviário - Transporte Alternativo
Fluvial - Travessia dos rios, horário da balsa: Manhã - 06h00 às 12h00; Tarde - 13h30 às 19h30 e Noite: 20h30 às 22h00
Localização: Macapá para o Município de Mazagão (29 km) - de Mazagão à Vila de Mazagão Velho, distante 29 km, pela AP- 010.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FESTAS POPULARES do MARANHÃO

Festas populares estado Maranhão, são típicas, gente feliz, alegre mostrando os costumes desse belo estado brasileiro, imperdível para nós brasileiros que ainda não conhecemos e para os estrangeiros que podem comprovar a nossa rica cultura com suas festas nesse belo estado do Maranhão.  Bumba-Meu-Boi

Os brancos trouxeram o enredo da festa; os negros, escravos, acrescentaram o ritmo e os tambores; os índios, antigos habitantes, emprestaram suas danças e a cada fogueira acesa para São João, os festejos juninos maranhenses foram-se transformando no tempo quente da emoção, da promessa e da diversão, é nesta época de junho, que reina majestoso o Bumba-meu-boi.

O auto popular do Bumba-meu-boi conta a estória da Catirina, uma escrava que leva seu homem, o nego Chico, a matar o boi mais bonito da fazenda para satisfazer-lhe o desejo de grávida: comer língua de boi, descoberto o malfeito, manda o Amo (que encarna o fazendeiro, o latifundiário, o "coronel" autoridade) que os índios captu…

FESTAS POPULARES do TOCANTINS

Festas Populares e Religiosas do estado de Tocantins é algo sensacional que mostra uma cultura em ricos trajes para todos que queiram conhecer.
As festas exprimem cultura e tradição dos povos, tanto pelas cerimônias festivas quanto pelos rituais religiosos, essas celebrações reafirmam laços sociais, e raízes que aproximam os homens, movimentam e resgatam lembranças e emoções, tem características semelhantes mesmo com enfoques diferenciados, como as manifestações do canto, da dança, da música e, principalmente, o espírito de troca e fortificação, tão bem expressos no dito popular "lavar a alma".
As festas populares e religiosas traduzem a cultura popular, a linguagem do povo, tudo que vem dele e de sua alma.
Boi-Bumbá

Uma das principais manifestações brasileiras, que provavelmente surgiu no final do século XVIII, por influência da tradição portuguesa e dos faraós do Egito (adoradores do Boi Ápis, deus da Fertilidade), e que logo se espalhou por todas as regiões do nosso país, com…

FESTAS POPULARES - MG

Festas populares não podem faltasFestas populares em nossos estados são sempre recheadas de coisas bonitas e alegrias, cultura, assim também são as festaspopulares do estado de Minas Gerais, vocês conhecem? Então venham conhecer como algumas dessas festas são super movimentadas e bem legais, a alegria do povo do estado de Minas Gerias e de outros que comparecem vindo de todos os lugares do Brasil e dos estrangeiros.
Vesperatas, em Diamantina, Festa do Milho, em Patos de Minas, Festival do Ora-Pro-Nobis, em Belo Horizonte, e Festa do Divino em três cidades históricas: Diamantina, Serro e Sabará. Essas são algumas das principais festas em Minas Gerais, neste mês de maio de 2006, e que fazem parte do Calendário Turístico da Secretaria de Estado de Turismo.
Festas Vesperatas
Na terra de Juscelino Kubitschek e de Chica da Silva, no Circuito dos Diamantes, a 292 km de Belo Horizonte, as Vesperatas estão marcadas para os dias 6 e 20 de maio, na rua da Quitanda.

A programação vai até outubro, qua…